A Prática da Verdadeira "Ética" << voltar
autor: Emmanuel publicação: 17/09/2004
artigo: A Prática da Verdadeira "Ética"

Sim, irmãos, ultimemos uma análise de nós mesmos em cada posição que ocupamos nas lidas pessoais, profissionais e sociais, e vejamos se temos sido "éticos" no processar do viver.

Perguntariam os irmãos: _ o que significa "Ética"?

Naturalmente, poderíamos dizer que ética seria, em qualquer dos campos de atuação de seres pensantes, condutas idôneas, honestas, verdadeiras e, acima de tudo humanas, a se destacar pelo respeito e deveres que cabem a cada um de nós que vivemos nos campos íntimos situações próprias, e nos campos sociais e humanos outras tantas situações, que nos irão tratar em conduta moral e de caráter. Esta ética, tão comprimida, hoje, pelas vantagens buscadas dentro de açambarcamentos materiais, titulações e posições sociais, se desvirtua, quando os seres buscam, além do permitido e digno, algo que os envaideça e preencha suas ambições neste contexto em que se articulam.

Irmãos, nós, seres humanos, naturezas em processa de aprendizado e crescimento, nos esquecemos de que estamos a representar papéis em profissões, humanismos e consanguinidade que nos foram propostos, justamente, porque em algum momento pretérito, nos burlamos na "ética" do viver.

Sim, o viver precisa trazer-se sob a "ética" do respeito às criaturas, de um alinhamento em ser e realizar, numa posição a nos colocarmos não como triunfantes no já adquirido, alijando almas que não se colocam nas mesmas posições que nós. Não, o viver dentro de uma ética de respeito ao patamar intelectual, humano e social em que qualquer ser esteja, precisa ser entendido como proposta de entendimento e avaliação de seus próprios valores, obedecendo a leis de direitos e deveres, não importando as nossas colocações sociais, intelectuais ou profissionais, mas sim, vendo, em cada ser, uma natureza ainda em concepções íntimas, e quanto mais a abastança, os títulos e os mestrados, mais cobranças estas almas farão a si próprias, quando, no retorno espiritual, se virem no confronto íntimo com elas mesmas.

Amigos, a ética pertence ao processo evolutivo de todas as naturezas, como também, o res-peito ético às condições de cada ser diante de situações próprias humanas ou espirituais.

Aquele, que passa por cima de um processar ético, desrespeitando para se fazer valer de uma posição ou de uns poderes materiais ou profissionais, humanos ou sociais, estará agredindo as leis da natureza de causa e efeito, agredindo e destruindo, cada vez mais, valores aos quais veio tentar estabelecer um maior ritmo de apreciação, estará desprezando naturezas irmãs, aviltando leis divinas, e, acima de tudo, esquecendo-se de que existem outras tantas almas que poderão estar perdidas no processo ético do viver, algum dia, em relação a elas mesmas.

Não abusemos desta "ética" pautada em títulos, não abusemos dos nossos ganhos ou condições pautadas em que somos os "tais" ou "partes alvas de uma sociedade", pois aqueles que mais detêm o poder e a fama, mais endividados se encontram perante a justiça divina. E, diante dela e de sua própria consciência, irão ficar no final de cada existência, onde o descortino será maior pela própria exigência do Espírito, que se encontrará com verdades, e não lidando mais com os subterfúgios que o acalentaram na vida carnal.

Sejamos éticos na vida familiar; sejamos éticos na lida com irmãos e naturezas; sejamos éticos em nosso trabalho e profissão; usemos da ética do respeito e de deveres perante nós mesmos, para que os outros, também a nós se tragam com respeito e fraternidade, condições mais do que necessárias para que sejamos reconhecidos como irmãos, portanto, com os mesmos direitos e possibilidades que o Criador nos deu, a crescermos, lado a lado, aprendendo a não menosprezar, e a nos situarmos sempre em posturas de mais amor e verdades.

Psicografado em 17 de setembro de 2004 e republicado em 2012.

Busca Por Texto
Arquivo