A Partir de Cada Momento << voltar
autor: Emmanuel publicação: 04/06/2004
artigo: A Partir de Cada Momento

A partir de cada instante, buscaremos revelações, objetivos e condições mais perfeitas.

A partir de cada momento, nossas almas, ansiando pela luz e liberdade, se voltarão a conquistas dentro do uso da materialidade, como nos seus profundos questionamentos.

A partir de cada vida, o encontro do Espírito com a matéria, que o compõe no momento, se tornará mais claro, numa demonstração perfeita de que o Pai nos traz a crescimentos a cada vivência, como também nos possibilita ter o despertar e o desprendimento necessários a que saibamos definir melhor a nós e a tudo que nos envolve.

A partir de cada minuto de vida e das cruciantes ou envolventes situações, a vida e suas circunstâncias nos possibilitarão visualizar melhor a nós mesmos e àqueles que fazem parte dos envolvimentos cármicos.

A partir de nossa vontade de planos espirituais, quando, numa análise mais profunda, entendemos que um processo corretivo e esclarecedor se faz necessário, a partir deste instante, do despertar de quem somos, na realidade, nos iremos propor a novos envolvimentos, como também, na negativa de retomarmos à capa carnal, tentaremos recuar, por medo e dificuldade de aceitação no exercício de novos posicionamentos.

A partir de cada decisão em nosso viver, as derivantes nos apontarão caminhos e nos obrigarão a segui-los ou não, adequadamente ou dentro de condições tumultuadas, porém, em cada instante de proposta em seguir um caminho, saberemos que a decisão foi nossa, a escolha feita segundo nossos princípios e vontades. As consequências e efeitos serão, então, distendidos, nos envolvendo e obrigando-nos a posicionamentos fortes.

A partir do instante em que as escolhas incidem sobre o bruto, o explorativo e aqueles pontos do viver na densidade específica, também, sentiremos em nós, em algum momento, a rudeza em retorno, pois os excessos e pressões angustiantes nas lidas com a materialidade nos trarão consequências idênticas às dilatações que lançamos.

A partir de cada decisão, de cada pensamento impulsionado por nossa vontade e traduzido em atitudes, nossas vida sofrerão as reformas, as condições que atuarão, tanto no físico como no espiritual. Importante este trânsito de querer e realizar, de propor e assimilar, de lançar e ter de aparar. Importante, também, sabermos que as oportunidades nos são dadas a partir do instante em que a centelha divina se coloca em proposta de crescimento e envolvimento com as naturezas irmãs, a positivar, num determinado campo, uma sequência vivencial.

Nestes instantes, momentos ou frações de segundo em que acordos se realizam, em que propostas se distendem, em que almas se entrelaçam nas permutas dos meios em que se exercitem; a partir de cada oportunidade de aprendizado e crescimento, de dilatação da centelha divina, demonstrando a ampla envergadura do Espírito eterno que nos trouxe à vida; a partir do momento de maior lucidez e percepção, a vida será olhada, aceita, agradecida, e nós, como filhos pequenos e teimosos ainda, nos colocaremos em posturas mais humildes e fraternas, pois, em todos os momentos de lapidações e movimentações íntimas, sentiremos que o Criador nos permite crescer em nossa livre vontade, mas que Sua maestria a manejar o buril invisível, nos trará, ao final de vários percursos, a formar estruturas mais perfeitas e iluminadas.

Observemos, portanto, irmãos, o que, hoje, realizamos, a partir do instante em que despertamos para a razão, na sensibilidade já angariada. Vejamos o que estamos fazendo de nossos dias, horas, minutos e segundos, tentando sempre realizar o melhor, o justo no ponto de equilíbrio universal entre a razão e a emoção.

Psicografado em 04 de junho de 2004 e republicado em 2012

Busca Por Texto
Arquivo