Adeus, Tristeza << voltar
autor: Henrique Karroiz publicação: 19/11/2018
mensagem: Adeus, Tristeza

Sim, adeus, tristeza entre aqueles que se unem em plenitude de sentir, de se fazerem atuantes em acordes íntimos e plenos;

Adeus, tristeza das lembranças;

Adeus, tristeza dos sentimentos não completados;

Adeus, tristeza, quando, hoje, podemos visualizar muito mais do que a situação premente e opressiva;

Adeus, tristeza, porque se já estamos em plena disponibilidade de percepções e sensações, saberemos o quanto poderemos existir na eternidade e diante de nós mesmos;

Adeus, tristeza, porque a construção infinita de amor puro se faz em constante permuta, em constante intercâmbio das almas que se dispõem a crescer e ampliar, verdadeiramente, este amor;

Adeus, tristeza, aos que se sentem fortes elos ao vibrarem em conjunto, mesmo sabendo que ainda precisarão de tempo e espaço para se tornarem forças conjugadas a contemplarem juntas a eternidade e nela prosseguirem como almas amigas, irmãs e eternas, na plenitude de amor e paz;

Adeus, tristeza nas ilusões, nas ignomínias sofridas, pois a manutenção de um sentir maior nos envolve, a cada instante de vibrante sonorização da palavra Amor.

Henrique Karroiz
Mensagem psicografada por Angela Coutinho em Madri, Espanha em 29 de setembro de 1998.

Busca Por Texto
Arquivo