A Lógica e a Sabedoria << voltar
autor: Henrique Karroiz publicação: 30/07/2019
mensagem: A Lógica e a Sabedoria

Cada um de nós intenta adquirir, de acordo com sua amplitude espiritual, qualidades que propiciarão maiores conhecimentos, dentro de uma cultura mais abrangente, numa compreensão lógica e íntima dos fatores que caminham conosco pela vida construtiva.

Os empreendimentos a galgarmos uma lógica mais justa e coerente em cada movimentação de vida nos propiciam colocar a justa definição entre os contextos e condições de vivenciação, entre o desfraldar de convicções mundanas ou humanas sendo, estes envolvimentos, trabalhos a serem realizados por vidas e vidas, porque a lógica somente chegará ao nosso raciocínio e discernimento, se for coerente com os aspectos que envolvam as verdades maiores. Porém, com isto, precisaremos estar diante de uma tela maior de compreensão e penetração dos valores e virtudes, coerentes a poder discernir entre ilusões e verdades, amparados sempre por um direcionamento lúcido e desvinculado de interesses outros, mas mantendo sempre, diante de nós, a condição de que a nossa lógica de momento estará em relatividade ao nosso patamar evolutivo e aos aspectos que queremos enfocar, sejam eles de interesse momentâneo ou que fazem parte de uma profundidade ansiada por nossa alma.

A sabedoria, o saber é acúmulo infinito, é cultura assenhoreada e açambarcada de acordo com os passos que damos, com nosso parecer diante das equações da vida, numa penetração mais sutil dos próprios contextos de cada vida, em suas diversas e diferentes culturas, condições sociais e humanas. A cada vivenciação, o aprendizado se efetiva, gradualmente, e de acordo com o que já adquirimos por vontade própria ou por impulsão dos seguimentos cármicos. Assim, a sabedoria seria um retrato daquilo que foi percebido e ajustado em nossa alma, com a lucidez de uma constante proposta de vida, sem a utilização de angariamentos que possam distorcer os valores relativos e os absolutos, mas numa justeza perfeita e num entendimento despojado, por termos já adquirido uma maior percepção espiritual e universalista, que, realmente, se coaduna com as concepções infinitas e elevadas.

Sim, o saber poderá ser grande e profundo, se o soubermos acolher com maturidade, numa vontade maior de nele nos deixarmos envolver e, ao mesmo tempo, permitir ao nosso Espírito penetrar nas minúcias de cada contexto, compreendendo que sempre estaremos aprendendo e muito ainda falta para que tenhamos uma percepção mais abrangente, diante da vida e das próprias naturezas em suas diversas performances e estruturações.

O preceito divino para obtê-la será particular e único, pessoal e irreprimível.

A todos são dadas as oportunidades de aprendizado e crescimento, porém, poucas são as almas que percebem a multiplicidade de aspectos a serem colhidos, para que avaliações e conhecimentos sejam ressaltados e apurados.

Saber extrair do mundo e da vida uma lógica justa a se fazer pronunciar em nosso íntimo, já será início de uma sabedoria que propiciará aos seres colherem os frutos plantados em vidas pretéritas, seguindo sempre em frente, a lhes abrir o campo da visão infinita, fazendo-se útil a si mesmos e a toda a humanidade.

Henrique Karroiz

Busca Por Texto
Arquivo