Posicionamentos de Fé << voltar
autor: Henrique Karroiz publicação: 30/08/2019
mensagem: Posicionamentos de Fé

Estamos e estaremos sempre defronte a necessidades; algumas básicas, outras nem tanto. Estaremos sempre em dispositivo de ação, em direção a alguém.

O turbilhão da vida humana, que prestigia este mundo, nos faz declinar, várias vezes, de melhores momentos em função de alguém ou de algum fato, em detrimento de nós mesmos e de nossas ânsias.

Devemos congratular àqueles que se impõem uma disciplina. Sim, porque se não formos disciplinados, persistentes em objetivos, não conseguiremos atingir nossas metas, pois as dificuldades se sobrepõem, de momento a momento, as negativas e as ilusões que nos são lançadas fazem parte de um processo a ser esculpido, lentamente, e que, quando deflagrado, nos atingirá, a obtermos resultados significativos.

Muitas almas tecem em suas mentes dúvidas, principalmente, quanto à orientação religiosa a seguirem; são tantas as propostas, são tantas as coadjuvantes a serem lançadas, são tantas as emergências humanas que a criatura humana necessita de um palco seguro para se tornar atuante em sua fé.

A busca, a procura é necessária, pois cada um de nós tem uma acelerada vontade em uma direção. Encontramo-nos em setores diversos de religiosidade, variando de acordo com as vivências anteriores, com os sentimentos e, principalmente, de acordo com a vivenciação atual e as necessidades que surgem e nos colocam diante do nada, quando nada temos de mais profundo. Então, dá-se a procura. Aperfeiçoar-nos-emos às tribunas mais sensíveis que nos tocam, outros se sentirão atraídos pelas manifestações mais físicas, alegóricas, outros abster-se-ão somente nos supérfluos, não analisando mais profundamente as palavras ditas com a profundeza de uma fé.

O principal é escolhermos o posicionamento que nos completa, nos conduz a um sentimento de elevação, de religiosidade, de moral certa e convicta, um sentimento de sensibilidade, de fraternidade a esta humanidade inteira.

Hoje, todos olham para si, pois mal têm tempo de cuidar daqueles que os envolvem.

A situação do mundo atual é tal que o homem se afastou de Deus em detrimento de um melhor obsequiamento para si próprio e seu viver. Esse posicionamento levou muitos a descrenças, desilusões, fracassos e falta de fé, destruindo moral e desvirtuando segmentos religiosos.

O mundo não nos dá tempo, a correria e o imediatismo destruíram a profundidade dos seres, a tranquilidade das famílias; não conversam mais, não se conhecem mais.

Nesse momento, pergunto: o que nos falta? O que falta a uma família para que se reúna e busque se conhecer mais? Apenas orar unida, dirigir seu pensamento a Deus em louvor, em agradecimento, em apelo, mas orar unida, pensar junta, todos trabalharem visando a uma mesma direção, um mesmo objetivo, deixando um pouco de lado as necessidades, que já não são tão básicas, mas supérfluas, e tentarem visualizar momentos melhores de íntimas e tranquilas conversas, de troca de opiniões, de conhecimento de si próprios.

Será que a humanidade não pode parar um minuto para se buscar em comunhão de ideais e objetivos, em conhecer seus irmãos como realmente são? Será que o mundo terá que ser parado, para que valores sejam observados e sentimentos acordados?

Pensemos sobre estes questionamentos.

Henrique Karroiz

Busca Por Texto
Arquivo