Os Preâmbulos da Evolução << voltar
autor: Henrique Karroiz publicação: 14/11/2019
mensagem: Os Preâmbulos da Evolução

Amigos, todos temos, hoje, conhecimentos maiores, capacidades de desenvolvimentos intelectuais e morais, não?

Perguntariam: evoluiu o homem desde a época de Jesus? Diria que sim, de certa forma. É lógico que o desenvolvimento intelectual e científico foi tremendamente aprimorado, que através dos meios de comunicação o homem teve a oportunidade de se esclarecer e de se capacitar, de acordo com o meio em que vivia e as tendências deste próprio meio, que o poderiam propiciar a um entendimento maior, facultando-lhe condições ambientais e instrumentais para isto. Entretanto, a moral do homem, de certa forma, não progrediu muito se compararmos com épocas pretéritas, quando a brutalidade era muito forte, e, por tudo e em tudo, primava por sentenças brutais e mortais.

Pergunto: - como se situa a moral do homem, a sua intelectualidade, aprimoramento e progresso nos dias de hoje? Efetivamente, está em grandes avanços, embora, não sendo o ideal, pois dentro deste avanço, os lados negativos tentam por muitas vezes se distender, e a moral, se equipara, em muito, a de épocas pretéritas, embora não assistamos às mesmas brutalidades, constantemente. Entretanto, naquela época tínhamos centros de muitas brutalidades. Hoje, temos áreas urbanas e territoriais imensas, em que essa mesma brutalidade é aflorada e efetivada sob vários moldes em grande escala.

Antigamente, não tínhamos os meios e veículos de comunicação a nos trazerem notícias destes ataques brutais e de mandos absurdos. Hoje, tomamos conhecimento das dilapidações que se acentuam no mundo inteiro.

Nestes séculos, podemos enfocar atrocidades inúmeras: as que me refiro, de hoje em dia, são tanto físicas quanto morais; aquele que mata, que trucida ou macula um irmão fisicamente é tão culpado quanto aquele que por meios, digamos, marotos de intelectualidade, se fazem furtivos dominadores, ladrões e usurpadores. Sendo assim, a culpabilidade é a mesma, trazendo as grandes epidemias a deixar lastros de tristezas, de ódios ou infelicidades. Pode-se dizer que hoje a brutalidade é enfocada e, ardilosamente, mais trabalhada através das vias intelectuais e, oculta, temporariamente.

O homem aprendeu sim, meios de burilamentos mais suaves, entretanto, mais penetrantes e audaciosos. Isto tudo, nos mostra uma necessidade muito grande de uma educação moral e religiosa, a que o homem se furta.

Através da família e dos elos familiares, atingimos aqueles que em nossas mãos estão para serem educados e conduzidos, porém, dificilmente, num educandário, assistimos a uma educação moral espiritualizada, não querendo dizer espírita, propriamente, mas, a educação religiosa que se dá ainda é pautada em muitos dogmas e teorias prensadas. Precisaríamos introduzir esta parte espiritualista nas criaturas ainda tenras em idade, a conhecer a manifestação divina, as leis da natureza, o para quê da nossa vivência, o porquê das tantas diferenças individuais com que se defrontam e as razões da diversidade de estágios evolutivos de moral, hábitos e conceitos. Este seria o ensino ideal completo a todos, com uma educação moral dentro de cada lar, para que possamos mostrar a nossos filhos o porquê de situações individuais e coletivas.

Henrique Karroiz

Busca Por Texto
Arquivo