Pedi e Obtereis - II << voltar
autor: Henrique Karroiz publicação: 21/02/2020
mensagem: Pedi e Obtereis - II

Continuando com nossa apreciação sobre este tópico tão interessante...

Pensamos, então, como elaborar um pedido se não sabemos o que é melhor para nós?

Orando e agradecendo sempre tudo aquilo que percebemos a cada dia, a cada momento, pois é muito o que recebemos.

Procuremos fazer de nossas vidas uma sequencial calma, um percurso onde não nos tumultuemos tanto e nem nos deixemos envolver pelo tumulto da vida material.

Procuremos estar conscientes, a cada minuto do viver, do que fazemos, do que nos propomos e pensamos. Procuremos agir sempre numa consciência mais plena, vamos dizer, agir, lucidamente, ponderando, ao final de cada dia sobre o que fizemos e avaliando o que causamos, os efeitos gerados, como, muito mais, agradecendo sempre as tantas oportunidades a nos ajudarem a crescer humana e espiritualmente.

Na fórmula do “Pedi e Obtereis”, realmente, teremos a necessária ajuda sempre, mesmo que achemos que "se esqueceram de nós". Na verdade, quando existir merecimento, isto será visto pela Espiritualidade Superior, que tem a visão necessária sobre o nosso percurso vivencial.

Como exemplo podemos colocar a vida de Jehanne D’Arc, quando pede a liberdade e ouve que será libertada. Mas que tipo de liberdade lhe foi dada? A liberdade em Espírito. De que forma? De uma forma muito difícil e traumática, não?

Então, observemos a interpretação da Espiritualidade e a nossa curta interpretação de seres ainda limitados.

A concepção de liberdade, neste caso, daquilo que pedimos e queremos obter ou não, é ampla, porém, na nossa visão ainda é estreita e não percebida em seu contexto. Entretanto, a visão da Espiritualidade, que está relacionada em conceitos abrangentes e necessários a nos proverem ou não, é totalmente diferente pela abrangência espiritual.

Tenhamos cuidado ao pedir. Façamos o possível para que a Espiritualidade possa sedimentar aquilo que almejamos, isto é, se for e tiver que ser atingido e estiver na nossa programação, mas se não estiver, aceitemos as resoluções maiores dos Mestres que nos regem e orientam nossa programação cármica.

Rezemos agradecendo a cada momento, a cada dia, essa recepção, a fartura de toda alimentação que recebemos. Que Deus abençoe a todos nós e que consigamos enxergar sem os antolhos da vaidade e do orgulho, a nos libertarmos dos valores pequenos, visando sempre à grandeza do Espírito.

Henrique Karroiz

(leia a  primeira parte em Pedi e Obtereis - I)

Busca Por Texto
Arquivo